Disponível - “Una estrategia para mejorar el accesso y la reutilización de la información pública en Portugal: el papel de la interoperabilidad semántica”

Venha conhecer esta e outras comunicações apresentadas na Conferência Girona2014 – “Arquivos e Indústrias culturais” (post de 19-10-2014)

Conheça o blogue "A rede do pescador"

No blogue "A rede do pescador" pode acompanhar o que publico nas redes sociais. Veja em PENTEADO.OVERBLOG.COM

"Peregrinos da Memória" está disponível na Internet

Mais de 15 anos depois da publicação da 1.ª ed. do livro de Pedro Penteado, conheça gratuitamente a história de um dos mais importantes centros de peregrinação de Portugal nos séculos XVII e XVIII.

Os despedimentos na Biblioteca Municipal da Nazaré e a sustentabilidade das bibliotecas e dos arquivos

O caso dos despedimentos de 4 técnicos da Biblioteca Municipal da Nazaré (BMN), sobre o qual a BAD se pronunciou, é um sinal para o qual os profissionais da informação e os cidadãos, em geral, devem estar atentos.

Conhece a norma ISO 30300?

Durante o 11.º Congresso Nacional da BAD foi disponibilizada a tradução da obra de Carlota Bustelo– Série ISO 30300: Sistema de gestão para documentos de arquivo. Aproveite para conhecê-la.

domingo, outubro 19, 2014

“UNA ESTRATEGIA PARA MEJORAR EL ACCESO Y LA REUTILIZACIÓN DE LA INFORMACIÓN PÚBLICA…” JÁ ESTÁ DISPONÍVEL

Já está disponível a comunicação “Una estrategia para mejorar el accesso y la reutilización de la información pública en Portugal: el papel de la interoperabilidad semántica”, apresentada na Conferência Girona2014 – “Arquivos e Indústrias culturais” (comunicação conjunta de Alexandra Lourenço e Pedro Penteado). Aceda aqui ao link onde também pode encontrar as restantes comunicações da 2ª. Conferência Anual do Conselho Internacional de Arquivos e da 9ª Conferência Europeia de Arquivos. Boa leitura!

terça-feira, julho 01, 2014

25 anos de vida profissional

Já lá vão 25 anos! Foi a 1 de Julho de 1989 que iniciei a minha carreira profissional no Arquivo Nacional da Torre do Tombo, (após um estágio de 6 meses na mesma entidade), coordenando uma das equipas que preparou a transferência da documentação para o edifício do Campo Grande...

terça-feira, abril 29, 2014

ORGANIZAÇÕES DIGITAIS: ENTRE A INFORMAÇÃO E O CONHECIMENTO

É já amanhã, dia 30 de abril de 2014, que estaremos em Vila do Conde para o VIII Encontro CTDI, sobre o lema "Organizações digitais: entre informação e conhecimento". O encontro é organizado pela Licenciatura em Ciências e Tecnologias da Documentação e Informação (CTDI), da Escola Superior de Estudos Industriais e de Gestão do Instituto Politécnico do Porto (ESEIG/IPP). O programa do evento é o seguinte: 09h30 Sessão de abertura 10h30 SESSÃO I António Cândido (Grupo Effacec) - Communication management in contracts: communication management is a key success factor in complex contracts Valentino Morales Lopéz (Fondo de Información y Documentación para la Industria – Infotec | México) - Información y el conocimiento en la organización digital Anabela Mesquita (CICE – ISCAP/IPP) - Esquecer e desaprender: formas de progredir e evoluir: uma reflexão Pedro Penteado (Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas) - Da gestão de ativos semânticos à gestão do conhecimento: perspetiva arquivística 12h30 Debate 13h00-14h30 Almoço 14h30 SESSÃO II Rafael António - A preservação digital através do MoReq2010 Georgina Araceli Torres Vargas (Instituto de Investigaciones Bibliotecológicas y de la Información, Universidad Nacional Autónoma de México) - Las redes sociales académicas en línea como canales para intercambio de información entre científicos Nídia Felgueiras; Patrícia Martins; Patrícia Santos (ESEIG/IPP) - Cultura organizacional e planeamento do sistema de informação: balanço de uma experiência em âmbito curricular Reinaldo Ferreira (Planeta Virtual) - e-swim: modelo de implementação da Web semântica nas empresas - Web 3.0: desafios e oportunidades para as empresas De acordo com a entidade promotora do evento, "as organizações digitais são aquelas que conseguem integrar a infraestrutura tecnológica nas suas componentes básicas (cultura, pessoas e processos). Nestas organizações, a informação materializa-se em objetos digitais muito diversificados, os quais suscitam novas possibilidades e novos desafios em termos de criação, organização, partilha, uso e preservação. Simultaneamente, a produção da informação, a sua reprodução, envio e receção, através de dispositivos eletrónicos, ocupa grande parte da rotina diária dos seus colaboradores, criando um ecossistema propício ao conhecimento individual e organizacional". Eis, pois, o desafio para o evento, em torno de um tema de grande atualidade. Mais detalhes em http://eseig.ipp.pt/seminarios/ctdi2014/ .

sábado, abril 19, 2014

"PEREGRINOS DA MEMÓRIA" ESTÁ DISPONÍVEL GRATUITAMENTE NA INTERNET

Mais de 15 anos depois da sua publicação, a obra "Peregrinos da Memória: O Santuário de Nossa Senhora da Nazaré (1600-1785)", de Pedro Penteado, editada pela Universidade Católica Portuguesa, foi disponibilizada gratuitamente na Internet. Para a consultar, aceda ao link do repositório daquela Universidade. Recordamos que o livro, que se encontrava esgotado há mais de uma década, apresenta um estudo sobre o Santuário de Nossa Senhora de Nazaré entre 1600 e 1785, centrado no espaço geográfico percorrido pelos peregrinos, Santuário e área envolvente. O Santuário, localizado na escarpa do Sítio e organizado com base na Imagem milagrosa da Senhora, foi um dos mais importantes centros de peregrinação de Portugal nos séculos XVII e XVIII. Na obra procura-se dar a conhecer as motivações dos peregrinos, a sua proveniência geográfica e social, as suas formas de organização, os itinerários que percorreram e a maneira como se comportavam no Santuário. Situado no âmbito da História Religiosa e Social, este estudo procura ainda estender-se da história das peregrinações à dos santuários, da sua lenta construção, da forma como foram apropriados pelo poder político ao nível local ou nacional. E, sobretudo, procura averiguar como, quer num caso quer noutro, o Santuário da Senhora de Nazaré serviu para reforçar a identidade dos peregrinos, das elites, das comunidades, de uma região e de um país. E neste contexto, dá particular atenção ao problema da(s) memória(s) dos peregrinos, da peregrinação e do lugar sagrado.

terça-feira, abril 08, 2014

“A CRISE E A SUSTENTABILIDADE DAS BIBLIOTECAS E ARQUIVOS” EM DEBATE PROMOVIDO PELA BAD

Segundo o "Notícias BAD", "No passado dia 29 de março de 2014, a BAD promoveu uma sessão de debate sobre “A Crise e a Sustentabilidade das Bibliotecas e Arquivos”, integrada na iniciativa “Um sábado de Primavera com a BAD”. A sessão teve nota introdutória e moderação do jornalista Francisco José Viegas e intervenções de Paulo Leitão, da Biblioteca de Arte da Fundação Calouste Gulbenkian, Santiago Macias, presidente da Câmara Municipal de Moura, Teresa Calçada, ex-coordenadora da Rede de Bibliotecas Escolares, João Vieira, coordenador do Sistema de Informação para o Património Arquitetónico do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana e Alexandra Lourenço, presidente da BAD. A sessão contou com a presença de várias dezenas de participantes de norte a sul do país, tendo vários deles participado no debate". (Continue a ler o texto, da autoria de Pedro Penteado, no "Notícias BAD").

sexta-feira, março 28, 2014

DLM FORUM REÚNE EM LISBOA PARA DEBATER A GOVERNANÇA DA INFORMAÇÃO NA EUROPA

De acordo com o site do DLM Forum, a sua 7 ª conferência trienal será realizada em Lisboa, nos dias 12 a 14 de novembro de 2014, no IST. Para este encontro, que visa debater a governança da informação na Europa, está aberta a chamada para a apresentação de propostas por especialistas das áreas de governança da informação, Administração pública, proteção de dados, gestão de riscos das TIC, gestão de documentos e arquivos, entre outras. As propostas devem ser submetidas on-line, o mais tardar até 15 de Maio 2014. A conferência será precedida por um dois dias de workshops e tutoriais.

ICS DISPONIBILIZA ROTEIRO DE ARQUIVOS DAS INSTITUIÇÕES CORPORATIVAS (1933-1974)

O ICS - Instituto de Ciências Sociais disponibilizou na Internet o seu «Contributo para um roteiro de arquivos das instituições corporativas (1933-1974)», elaborado por Nuno Estêvão Ferreira, Ana Margarida Rodrigues e Dulce Freire. Segundo os autores, "Os processos de dissolução e substituição do sistema corporativo foram, por vezes, longos e complexos, conduzindo a diversas fusões, reorganizações de serviços, transferência de competências, divisão de patrimónios e redistribuição de funcionários. No decurso destas mudanças institucionais verificou-se uma dispersão dos acervos documentais resultantes das actividades desempenhadas pelos diferentes organismos. Como os investigadores carecem dos documentos históricos destas instituições para desenvolver projectos de pesquisa, houve necessidade de elaborar o presente roteiro de arquivos das instituições corporativas (1933-1974). O roteiro resulta de um conjunto de diligências encetadas, entre Fevereiro de 2011 e Março de 2013, junto dos arquivos centrais e regionais, para tentar localizar a documentação. Este instrumento de trabalho identifica as principais mudanças orgânicas verificadas nos organismos corporativos e a localização dos fundos documentais em 2012/2013".

terça-feira, março 04, 2014

CRESAP JÁ SELECIONOU OS CANDIDATOS A SUBDIRETORES DA DGLAB PARA APRESENTAÇÃO AO SEC

A CRESAP informou que já selecionou já os candidatos a subdiretores da DGLAB para apresentação ao Secretário de Estado da Cultura (SEC). No que diz respeito ao Procedimento Concursal N.º 209_CRESAP_140_09/13, foram apresentados ao membro do Governo, nos termos do n.º 6 do art.º 19 da Lei 64/2011, de 22 de dezembro, Luís Filipe Reis Santos, Maria José Vicente Camecelha de Abreu e Paula Cristina Sousa Saraiva. Foram opositores a este procedimento concursal sete candidatos. No outro Procedimento Concursal (N.º 208_CRESAP_139_09/13) foram selecionados Maria Margarida Ortigão de Almeida Sampaio Ramos, Nuno Humberto Pólvora Santos e Paula Cristina Sousa Saraiva. Foram opositores a este procedimento concursal oito candidatos. Na fase seguinte, em princípio, para cada Procedimento, o SEC escolherá um nome que designará para subdiretor do organismo.

segunda-feira, março 03, 2014

A PSP, AS TIC E A "FANTÁSTICA" MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

No início de Outubro de 2013 perdi um telemóvel no regresso do Algarve. Apresentei então o assunto na PSP - Polícia de Segurança Pública. Cinco meses depois (hoje), na ausência de um portal para relacionamento fácil com a PSP, mando um e-mail a solicitar informações sobre o caso e, na volta, recebo este fantástico mail: "O Gabinete de Imprensa e Relações Públicas da Direção Nacional da Polícia de Segurança Pública, vem acusar a receção do V/ e-mail, o qual mereceu a nossa atenção e informar V. Exª. que, relativamente a este assunto, deverá dirigir-se ao departamento policial, onde formalizou a denúncia e questionar em que termos se encontra o processo". Para além dos problemas de português (algumas vírgulas mal colocadas), fiquei "deliciado" com esta (in)capacidade de usar as TIC e os sistemas de informação para prestar informação ao cidadão sobre o estado do seu processo, no momento. Transparência e modernização administrativa, o quê?

QUEREM RENOVAR A LEI DE ARQUIVOS É P'RA JÁ...

Aqui ao lado, na Galiza, segundo a imprensa, após um diagnóstico que permitiu identificar problemas de natureza arquivística, a Xunta da região identificou deficiências em pelo menos 3 Consellerías e vai daí propôs uma nova "Lei de Archivos e Documentos de Galicia". Esta normativa prevê a contratação de novos arquivistas em vários organismos, bem como a necessidade de avaliar a necessidade de novas infraestruturas para depositar os arquivos da Administração. A contratação supõe um custo anual de 350.500 euros, número muito baixo, segundo a Xunta, se se tiver "en cuenta los beneficios que supone en la mejora de la gestión de los archivos". A proposta de Lei insta ainda insta as "diputaciones provinciales" a contratar arquivistas e a prestar apoio económico aos concelhos de menos de 10.000 habitantes para a conservação da sua documentação. A Federación Galega de Municipios e Provincias (Fegamp) rejeita esta medida porque entende que obriga os municípios com mais de 10.000 habitantes a dispor de arquivistas e dinheiro. O problema é, pois, é o da existência de recursos para a aplicação da Lei. E todos bem sabemos que destino têm as políticas públicas que não são acompanhadas dos devidos recursos humanos e financeiros para as sustentar. Em Portugal, os diagnósticos estão realizados, são conhecidos e as propostas de legislação já foram elaboradas. Falta o resto...

segunda-feira, fevereiro 24, 2014

OS DESPEDIMENTOS NA BIBLIOTECA MUNICIPAL DA NAZARÉ E A SUSTENTABILIDADE DAS BIBLIOTECAS E DOS ARQUIVOS

O caso dos despedimentos de 4 técnicos da Biblioteca Municipal da Nazaré (BMN), que irá ser concretizado dentro de horas, e sobre o qual a BAD se pronunciou esta semana, é um sinal para o qual os profissionais da informação e os cidadãos, em geral, devem estar atentos. Em parte, este caso é a prova que: 1) Em tempos de crise, a qualquer momento podem ocorrer “cortes prioritários” nos serviços prestados por bibliotecas e arquivos (B&A), muitas vezes considerados politicamente menos relevantes no contexto das organizações públicas e da Administração; 2) Estes cortes são independentes da cor do partido político que exerce o poder; 3) Estes cortes são também independentes dos bons resultados que possam ser alcançados pelos profissionais da informação (no caso da Nazaré, por ex., a BMN tinha “mais leitores inscritos, mais livros, cd e dvd requisitados por habitante e um horário de abertura maior e mais alargado que a média nacional”); 4) Estes “cortes” são efetuados mesmo em situações que vão contra compromissos públicos assumidos com a entidade financiadora e, em determinados contextos, podem implicar sanções para a entidade beneficiada; 5) Políticos pouco informados, que desvalorizam estes serviços, podem tomar este tipo de decisões com base numa leitura redutora da eficiência de recursos humanos e infraestruturas, que desrespeita requisitos de qualidade associados aos contratos-programa de financiamento e secundariza as competências exigidas aos profissionais da informação, bem como a missão e as funcionalidades específicas dos espaços das B&A; 6) As comunidades locais dificilmente se mobilizam na defesa da provável quebra de qualidade dos serviços decorrente destes “cortes” ou medidas de efeito similar; 7) A tomada de posição e contestação da DGLAB, da BAD e de alguns partidos à esquerda dos partidos tradicionalmente associados ao “arco da governação” nacional (PS, PSD, CDS) não é suficiente para alterar ou matizar decisões deste tipo; 8) Os efeitos mediáticos dessa contestação são fracos e de pouco impacto; 9) Os debates nas redes sociais permitiram apurar que ainda existem políticos locais e cidadãos insensíveis às vantagens económicas das B&A, que vêem as bibliotecas públicas como elefantes brancos e que, em nome da poupança de recursos no curto prazo não se preocupam em regredir para níveis de serviço dos anos 70, independentemente das consequências culturais para as gerações futuras; 10) Os debates evidenciaram ainda que há quem questione se a tomada de posição de associações como a BAD, ou sindicatos, não pode ser vistas como corporativista, procurando debilitar estas intervenções cívicas, mesmo quando são as que melhor defendem as populações; 11) A importância que os profissionais da informação atribuem ao seu trabalho e à qualidade do serviço que prestam à sociedade nem sempre é acompanhado do necessário reconhecimento social; 12) Não há garantia de sustentabilidade para investimentos e projetos apoiados e financiados por dinheiros públicos, na área em referência. Este último ponto constitui mesmo o problema de fundo levantado por este caso: o da atual sustentabilidade de bibliotecas e arquivos que obtiveram apoio e financiamento público num tempo em que a quantidade de recursos disponíveis era maior e existiam grandes expetativas em termos de qualidade de vida e do papel que esses equipamentos e serviços deveriam ter na satisfação das necessidades das populações. Os tempos mudaram e tornou-se urgente debater o assunto. Nesse sentido, pensamos que a BAD deve rapidamente promover iniciativas para refletir sobre o problema, tendo nós já apresentado uma proposta nesse sentido. Identificar causas mas sobretudo encontrar soluções adequadas que valorizem as bibliotecas e os arquivos, os seus profissionais e as populações que devemos servir, num contexto de restrição de recursos. Pensamos ainda que a DGLAB não pode deixar também de equacionar o seu papel, apostando num maior conhecimento, controlo e resolução do problema. Na realidade, o debate, para ser eficaz, tem de procurar envolver todos os stakeholders, de modo a que se possa criar uma “grande onda” com a participação de todos os que estão verdadeiramente interessados na defesa das bibliotecas e arquivos em Portugal. E este é o momento. Vamos a isso? (Foto: BAD)

domingo, fevereiro 02, 2014

UMA VIA PARA A VISIBILIDADE E IMPACTO DOS ARQUIVOS MUNICIPAIS: SERVIÇOS DE E-GOVERNO

Estive esta manhã de volta da obra "Diretrizes da Ifla sobre os serviços da Biblioteca pública". Na p. 28, refere-se que "Para as bibliotecas é fundamental que os serviços de governo eletrónico centrados no cidadão possam ser atribuídos às bibliotecas públicas ... uma vez que são o mais evidente ponto de acesso público", devendo para o efeito "procurar-se financiamento adicional por parte do Estado" e capacitar o seu pessoal. O que não compreendo é como não se aproveita muitas vezes, ao nível municipal, a existência de serviços de arquivo e instalações qualificadas, algumas delas financiadas por programas específicos, com profissionais que têm obrigação de conhecer profundamente os processos de negócio e a documentação/informação ali produzida, para a prestação deste tipo de serviços de governo eletrónico. Esta é, claramente, uma via para dar visibilidade e impacto a muitos arquivos municipais e impedir que muitos profissionais se deixem acantonar em áreas nem sempre valorizadas pelo cidadão e pelo poder político.